quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Vale o Investimento: Luluzinha Teen

Em primeiro lugar, estou muito, muito fora do público-alvo da revista (jovens entre 12 e 16 anos). Nem tenho filho nessa idade... Mesmo assim, fui conferir a novidade.

Luluzinha Teen segue uma tendência mundial, a de “crescer” personagens antes voltados ao público infantil. Entre nós, o exemplo mais evidente é a Turma da Mônica Jovem, de Maurício de Sousa, mas há também precedentes no mercado internacional, como Ben 10 e Meninas Superpoderosas.

Qual o mal disso? Nenhum. A audiência cresceu, então nada mais natural que as editoras façam o mesmo com seus personagens.

Luluzinha Teen tem ritimo de Malhação: namoricos, mistérios, turmas rivais. Tenho a impressão de que são esses os temas que atraem os tweens hoje em dia e que justificam o suposto sucesso da revista (tiragem declarada de 100 mil exemplares por mês).

Os personagens também lançam mão de toda a parafernália eletrônica da chamada Geração Y: videogames, internet, mídias sociais, celulares e – isso eu acho uma boa sacada – um blog de verdade que não só interage com a trama como também traz outros assuntos.

O maior problema dessa nova turma da Luluzinha é que ela poderia ser qualquer turma. Muito diferente do que acontece com a Mônica Jovem (a comparação é inevitável), a caracterização dos personagens "crescidos" não remete de modo algum aos modelos originais.

Os criadores tentam driblar isso abrindo cada edição com uma breve apresentação dos protagonista e inserindo referências a fatos do “passado” na trama. Funciona? Sim, mas também exige uma grande dose de boa vontade dos leitores, pelo menos dos mais veteranos.

O maior mérito de Luluzinha Teen, como eu disse em posts anteriores, é ser uma criação brasileira, uma concessão da licenciadora mundial exclusiva para nosso mercado. E também o fato de ser escrita e desenhada aqui, o que abre novas oportunidades para nossos profissionais.

No geral, a revista vale o investimento de R$ 6,40 por edição e o tempo gasto para ler as 96 páginas. Os roteiros são bem feitos, a linguagem é adequada ao público-alvo e a arte não envergonha, mesmo havendo a opção pelo "mangá".

Se tiver oportunidade, leia pelo menos uma edição para formar seu próprio conceito e não se deixar levar por críticas que, muitas vezes, são influênciadas apenas pela resistência a se modernizar personagens que marcaram a infância de muita gente.

Eu gostei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário